quinta-feira, 30 de março de 2017

Abd al-Rahman III an-Nasir li-din Allah ibn Mamad al-Qurtubi khalifa al-Qurtubi

Califa árabe nascido provavelmente em Córdoba, na Espanha muçulmana, fundador do califado omíada de Córdoba (929-961), independente do califado de Bagdá, e um hábil estrategista que conseguiu submeter a seu poder toda a Espanha muçulmana, além de deter o avanço dos reinos cristãos. A Espanha muçulmana era uma província independente desde o estabelecimento do poder abássida. Quando os Abássidas capturaram Damasco, um dos príncipes omíadas, Abd al-Rahman I, escapou e fez uma longa jornada para Espanha, onde fundou um reino omíada. Com a ajuda dos berberes e dos árabes da Síria, apoderou-se de Córdoba (756) e dominou a maior parte do país, iniciando assim a era dourada do Islam na Espanha. Córdoba foi fundada como capital e em breve se tornou a maior cidade não só pela sua população mas também do ponto de vista cultural e da vida intelectual. Os Omíadas reinaram por mais de dois séculos até que, enfraquecidos, foram substituídos por governantes locais. Ao suceder ao avô, o emir Abd Allah, por vontade deste, no cargo de emir de Córdoba, com apenas 21 anos, o III recebeu um reino fragmentado em províncias com alto grau de autonomia. O emirado se achava ameaçado também pelos poderosos reinos cristãos, especialmente o de Leão, e pelo expansionismo do califado fatímida egípcio. Ao iniciar seu reinado (912), tomou uma iniciativa audaciosa. Exigiu a submissão absoluta de todos os súditos, em troca do perdão para os que acatassem sua soberania, e ameaçou os rebeldes com severos castigos. Em poucos anos, conseguiu o domínio de quase todo o território do emirado andaluz, a Espanha muçulmana, embora tenham persistido focos de resistência em algumas províncias, como o que foi liderado por Omar ibn Hafsun, em Granada e Jaén. Ibn Hafsun morreu (917), mas sua fortaleza de Bobastro ainda permaneceu independente por mais de dez anos. Conquistou Pamplona (924) e proclamou-se califa (929), sucessor do profeta e príncipe dos crentes, o que supunha a independência religiosa de al-Andalus, ou seja, título que aliava a autoridade política à religiosa. Durante os anos seguintes as conquistas se sucederam: Badajoz (930), Ceuta (931) e Toledo (933). A conquista de Toledo consolidou o poder cordobês (933). Durante seu reinado, o califado conquistou um extraordinário poder político e militar, comparável ao dos impérios germânico e bizantino. A pujança do califado foi pouco afetada pela derrota sofrida em Simancas (939), para Ramiro II de Leão. Córdoba viveu seu período de maior esplendor e prevaleceu sobre os reinados cristãos.. A cidade foi embelezada com a ampliação da mesquita e a construção do alcáçar, e iniciou a construção da cidade-palácio de Medinat al-Zahara, a noroeste de Córdoba (936). Protegeu a produção têxtil, investiu na agricultura e buscou abrir novos mercados. Criou a escola de medicina mais antiga de Europa e favoreceu o estudo da astronomía das matemáticas. Quando morreu deixou como herança à Espanha muçulmana uma economia próspera, intensa atividade cultural e uma comunidade fraterna, na qual conviviam mouros, judeus e cristãos. Na evolução de al-Andalus, a denominação árabe da Espanha muçulmana, é possível distinguir-se três períodos: o emirado dependente (714-756), no qual o território foi convertido em uma província do Islã sob a soberania dos califas omíadas de Damasco; o emirado independente (756-929), constituído quando Abd al-Rahman I, membro da destronada dinastia omíada chegou ao poder e deixou de obedecer a Bagdá e ao califado abássida; e, por último, o califado omíada, iniciado quando o então emir se proclamou califa (929), o que representou a independência religiosa de al-Andalus. Posteriormente, as diferenças entre os grupos étnicos provocaram a fragmentação desse domínio em numerosos reinos de taifas na metade do século XI.

Biografia retirada de NetSaber
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...